3 de out de 2011

SUMI-Ê - " O Caminho Zen da Tinta Preta"

O Sumi-ê, conforme sua origem, possui como principal característica a rapidez em que é realizado, a inspiração artística é transmitida no prazo mais curto possível, onde não existe tempo para reflexão ou pensamento daquilo que está sendo realizado, o artista deve seguir sua inspiração espontânea. Não existe a possibilidade de nenhuma correção ou repetição, um traço deve ser encarado como único, se existir algum erro ele está "morto " e portando toda obra perdida. Esse foi o espírito que levou muitos Samurais a praticarem o Zen e o Sumi-ê, um golpe de espada deve ser realizado espontaneamente sem chance para correções ou reflexões, caso contrário já se estaria morto devido a  velocidade que ocorriam os confrontos.http://www.japaoonline.com.br


O Sumi-ê originou-se da tradicional pintura chinesa, que em certa época mudou seu sentido meramente decorativo para um caminho de busca espiritual e paz interior.
No início do século X o Japão começou um grande intercâmbio com a China, enviando estudantes para assimilarem o que de melhor a cultura chinesa possuía, destacando-se principalmente a caligrafia e a religião.
Uma característica do Zen é a busca em entender as coisas deste mundo não através da aparência externa, mas sim procurando olhar seu interior e assim descobrir seu verdadeiro espírito. Os praticantes do Zen buscam através de exercícios de meditação ( Zazen ), uma libertação da mente presa nos fatos cotidianos do dia-a-dia para um estado de total desprendimento em que a única coisa que existe é o vazio.



Os artistas do sumi-ê pintam, especialmente o shikunshi (os 4 nobres), o que deixa bem claro a profunda ligação desta arte com a natureza. São eles:
  • A orquídea selvagem representa o verão, espírito jovem e é símbolo da graça e virtudes femininas. Esta flor cresce no local mais inspirador de todos, onde a montanha encontra a água.
  • O bambu representa o inverno e significa a simplicidade da vida e a humildade. O tronco simboliza a força e as virtudes do sexo masculino. As sub-divisões do tronco representam as etapas da vida. O centro oco remete ao vazio interior pregado no zen-budismo e por fim, a resistência do bambu representa a estabilidade e caráter inabalável.
  • A ameixeira é o símbolo da esperança e da tolerância. O tronco retorcido inspira dureza e ainda assim carrega consigo a promessa da primavera, que se confirma com o aparecimento dos primeiros delicados brotos em janeiro.
  • O crisântemo por antecipar o inverno desafiando o frio do outono, representa a perseverança, a lealdade e a modéstia. Também simboliza a vida familiar devido ao seu formato circular.É a flor-símbolo da Casa Imperial.http://gwomatsuri.blogspot.com
  •  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

deixe seu comentário

Novos Horários de Aulas de Cerâmica

Ainda restam alguns lugares de aula nos seguintes dias